06/05/2011

Lógica do raciocínio


Olhando para a fumaça do meu cigarro comecei a divagar... as espirais e colunas de fumaça subindo e eu pensando no velho “ar quente sobe” e maravilhado pelo modo como as moléculas que compõem essa fumaça se mantém unidas no centro de massa, e se dispersam lentamente nas periferias. Pensando em como seria bom poder pegar essa “nuvem” que vai subindo em pleno ar e daí dar milhares de destinos possíveis a ela. Daí comecei a pensar no patamar de desenvolvimento em que nossa ciência está no século 21 e fiquei um pouco frustrado. Por isso mesmo vou dividir o raciocínio com vocês.

Estamos cercados por ar, e sabemos isso desde a infância, mas... levemos em conta as substâncias em suspensão, como resultado da composição e recomposição do ar, por todo o tipo de influência, como fumaça: de carro, cigarro, queimada, além de milhares de tipos de aerossóis, CFC, freon, além das partículas voláteis que “evaporam” na hora de abastecer o carro, ou quando vaza combustível.

Bom, a questão é: sabemos disso tudo, mas... e aí? Apenas continuamos respirando? Minha ideia: colocar todos os gênios dos “MiT” da vida ai que estiverem de bobeira ou sub-utilizados para pesquisar uma forma de interagir com os átomos em “suspensão”, em ambiente natural!! Sim, porque todos sabemos que estamos sendo envenenados por tudo isso, e ninguém leva a sério?

Qual a ideia final por trás disso?, você se pergunta. Imagine poder instalar uma torre em cada zona de uma cidade, que transmitisse um tipo de onda específica para interagir com os átomos em suspensão na atmosfera dentro do raio de ação da onda. Sabemos que os átomos são cargas elétricas, mas, e se pudéssemos manipular essas cargas para literalmente “mover” esses átomos? Talvez até capturá-los!

Daí vocês devem estar pensando: “pronto, o cara pirou”!, e eu nem discordo, mas vamos pensar... é possível! Claro que no ritmo que as coisas andam, vai levar uns 300 anos, mais ou menos, e por isso mesmo eu tô falando que deveriam começar logo a pensar a respeito!

Aí um outro dirá: “Mas estás ignorando as pesquisas dos caras do super acelerador de partículas que são nesse sentido mesmo”, e eu respondo: não estou não. Mas o meu ponto é que nossa ciência em pleno século 21, ainda precisa de uma máquina que atravessa o sub-solo de vários países pra conseguir registrar o choque de algumas ínfimas partículas, e ainda comemoramos na mídia! Desse ponto de vista, parabéns ao pessoal da Engenharia da Computação que tem trabalhado MUITO rápido no desenvolvimento de novas tecnologias de processamento. Acabaram de lançar um processador "megalopower", de tamanho insignificante. Essas tecnologias serão fundamentais no desenvolvimento técnico e de automação para a ciência do futuro, mas a pesquisa natural e o desenvolvimento de soluções intelectuais para as fases desse caminho, são a base de tudo.

O que falta é a conscientização do dito “Homem Moderno” de que usa só 10% de sua capacidade intelectual, por mais gênio que seja. Isso significa que os que não são tão geniais assim tem que dar mais duro para compensar. Mas o fato é que nossa ciência precisa evoluir em maior velocidade, e não digo isso só como brasileiro, digo isso como cidadão do mundo. Ressalto que, é claro, isso não é culpa dos cientistas que estão ralando aí todos os dias para prover o mundo de soluções as mais diversas, e jamais mereceriam ser criticados nesse sentido. Falo da FORMA GERAL como a questão é vista pelas pessoas, nossas contemporâneas. O foco das pessoas está tão centrado nas coisas do hoje, do agora, do rentável, que nem sequer pondera essas questões. Acha que isso é contraproducente, e portanto, coisa de maluco. Mas não é!

Temos exemplos de caras geniais, cientistas fantásticos, que descobrem coisas importantíssimas, e que não são nem citados no Jornal Nacional. Ninguém conhece, só os outros cientistas. Conheço alguns. Por outro lado, há caras que ganham títulos por fazer lobby pra ciência. Nem pisam num laboratório! O diretor que ganha títulos pela descoberta da universidade não é um grande cientista, é um grande político, via de regra. Ele sabia da pesquisa, apoiou porque viu possibilidades de algum tipo de compensação, seja grana ou prestígio, mas não tenha dúvida, se der alguma merda, ele corta o teu projeto na hora! Não há comprometimento com o descobrir, o pesquisar, mas com o ganhar, o agradar investidor, o não parecer louco...

Será que sou tão louco por pensar que os cientistas do nosso mundo podem muito mais? Eles sabem de suas capacidades, mas não encontram meios de viabilizar as pesquisas, seja por essa falta de apoio, seja pela inexistência do equipamento necessário. Mas eu tenho certeza que se essa consciência mudasse, a ciência seria uma das prioridades de todos os governos do planeta.

E devia ser assim mesmo!


G.C.

___________________

Para crédito de quem tá desenvolvendo muito as pesquisas científicas, segue umas matérias interessantes que eu achei pela internet:

http://veja.abril.com.br/noticia/vida-digital/cientista-infectado-virus-computador

http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/bbc/2010/12/28/cientistas-pretendem-criar-simulador-da-vida-na-terra.jhtm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cosmos - Carl Sagan (1-4)

Cosmos (5-13)